Reestruturação financeira do Sporting em banho-maria

Imagem retirada do web site "DN"

Clube aguarda aprovação da emissão das VMOC no valor de 55 milhões de euros. Negociação com a Câmara Municipal de Lisboa conheceu mais um impasse.

A reestruturação financeira do Sporting com a Banca (BES e BCP) está em stand by . O clube aguarda que a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) aprove a missão das VMCO (valores mobiliários obrigatoriamente conversíveis) no valor de 55 milhões de euros. Já o compromisso com o Câmara Municipal de Lisboa (CML), relativo aos terrenos do antigo Estádio José Alvalade, conheceu novo impasse e pode atrasar a conclusão no novo acordo financeiro com os bancos.
O Tribunal Arbitral deu razão aos leões no diferendo com o município lisboeta, no dia 15 de Setembro de 2008, condenando-o a pagar ao clube de Alvalade 18 milhões de euros, em prédios de reabilitação urbana. E ainda à cedência de um terreno para construir um pavilhão gimnodesportivo nos terrenos do antigo estádio.
Depois disso, as partes passaram à escolha dos imóveis a incluir no protocolo que fecharia uma década de avanços e recuos. Porém dos 15 prédios seleccionados pela CML, só quatro têm interesse imobiliário, na opinião dos leões. Todos os outros não têm interesse imobiliário. Razão pela qual as avaliações do Sporting e da CML divergem em dois milhões de euros, soube o DN. E, tal como previsto no protocolo, "se a valorização divergir mais de 10% (em relação ao valor mais elevado), o SCP e a CML comprometem-se a aceitar o valor de avaliação fixado por um perito avaliador escolhido na lista oficial do Ministério da Justiça."
Mas a questão pode não ser pacifica, pois é do interesse leonino que o valor dos imóveis desça, para que o remanescente seja pago "em numerário ao Sporting, através de prestações anuais, do mesmo valor, a efectuar no prazo de três anos".

Fonte: DN


Comentários