Coincidências?


Hoje tive tempo suficiente para poder assimilar todos os acontecimentos dos últimos dias. Em relação ao jogo, penso que está tudo dito. Em relação à demissão de JEB, assumo que estou um pouco confuso: a nível do futebol o desempenho durante o seu mandato foi medíocre, dos piores anos da história do clube; nas modalidades, à muito que não se via tanta união entre adeptos e jogadores, prova disso foram os vários títulos nacionais (e internacionais) conquistados; a nível financeiro, ainda é cedo para avaliar a tão proclamada reestruturação financeira.

Cheguei onde queria. Reestruturação Financeira. Assumo que não sou um grande entendido na matéria (estou a estudar para isso), mas analisando vários pontos do mandato de JEB à que fazer uma breve reflexão. Vamos por pontos:


1. Antes de assumir a tempo inteiro a direcção do Sporting, JEB era um dos homens fortes de um dos maiores bancos de Portugal, o Santader Totta;


2. Desde o princípio que JEB tentou realizar acordos entre o clube e várias entidades bancárias, de modo a angariar verba para transferências;


3. Recentemente, JEB assumiu que está (estava?) para breve a criação de um fundo de jogadores, com algumas entidades bancárias a assumirem o investimento (penso que o Totta estava incluído);


4. Na Sexta-Feira foi oficialmente aprovado o plano de reestruturação financeiro, que, pelo que percebi, consistiu em alienar algumas acções com entidades bancárias;


5. Sábado, JEB demite-se


A minha pergunta é: Será que o objectivo de JEB como presidente do Sporting era fazer com que clube fosse governado por entidades bancárias (Totta incluído)? Se sim, com que objetivos?


Comentários

Se não é, parece. JEB é mais um a propor mais uma reestruturação financeira que visa salvar o clube, sendo que a salvação é comummente apresentada com a frase, "mais dinheiro para investir no futebol". Bem, é preciso admitir que tem havido dinheiro para investir, isto se tivermos em conta os quase 10 milhões de euros investidos em João Pereira e Sinama Pongolle. Pena que esse investimento, nomeadamente o mais avultado, Sinama, tenha sido um rotundo fiasco, um autêntico crime contra uma gestão que se quer, por força da fragilidade financeira do nosso clube, criteriosa.

Considerações desportivamente relacionadas de lado, JEB sempre foi considerado um dos gestores bancários mais respeitados de Portugal, não tivesse sido colocado no Santander pelo mais famoso e capaz CEO bancário português, António Horta Osório, salvo o erro.

www.sociedadesporting.blogspot.com
Para descomprimir, tomem lá isto para se rirem:

http://www.youtube.com/watch?v=SM4CyEnJpdc&feature=player_embedded#!

um abraço para voces
Anónimo disse…
Olá. Salvo erro as entidades bancárias faladas aquando do fundo dos jogadores e da reestruturação financeira são o BES e o BCP. Em nehum sítio li que o Santander-Totta estava ligado a estes negócios. E já agora, o Horta-Osório já não trabalha para o Santander!!! Está no Lloyds, o maior banco de inglaterra.
UKLION